Carreira acadêmica: vale a pena em TI?

Tempo de leitura: 8 minutos

A carreira acadêmica em TI é muito atrativa para profissionais que buscam uma carreira promissora. Mas sabemos que para ser bem sucedido nessa área é necessário muita dedicação, empenho e paixão por tecnologia.

De fato, a área de Tecnologia da Informação está em constante crescimento, indo na contramão do mercado, e algumas áreas possuem até mais vagas do que profissionais.

O mercado de TI está presente em praticamente qualquer meio empresarial, sendo fundamental para o sucesso de uma organização que queira se manter atualizada no mercado.

Existem diversas áreas para seguir em um carreira de TI, como por exemplo: E-commerce, Administrador de Banco de Dados, Programação, Suporte Técnico, Administrador de Redes, Qualidade de Software, Segurança da Informação e por aí vai…

Mas e o setor acadêmico de TI?

  • Como funciona a carreira acadêmica?
  • Qual a diferença entre o mercado de empresas e o mercado acadêmico?
  • Quais as vantagens e desvantagens?
  • O que faz um profissional dessa área?

São essas e outras questões que esclarecemos neste post.

Para nos ajudar com essas questões, trouxemos o Professor Luís Gustavo Araújo (Ciências da Computação) que vai responder algumas perguntas com base em suas experiências profissionais.

Como funciona a carreira acadêmica?

A carreira acadêmica tem como objetivo a formação do pesquisador e professor universitário. Esta carreira se desenvolve por meio de pós-graduação, mestrado e doutorado.

Para segui-la é necessário ter essas capacitações, ingressar em uma faculdade como professor ou em um instituto de pesquisa como pesquisador.

Como a carreira do profissional vai se desdobrar, depende principalmente de seus objetivos e da área em que deseja atuar.

Grande parte dos profissionais que decidem seguir esse caminho atuam como professores e/ou pesquisadores nas universidades.

O que te fez seguir uma carreira acadêmica ao invés de uma carreira convencional?

Eu me formei em Licenciatura da Computação – um curso novo da área de Computação, que tem como objetivo formar professores para ensinar Computação na Educação Básica. Eu gosto de ensinar, mas não queria ensinar para o público do ensino Fundamental, por não me identificar – embora ache que é uma etapa importante e um trabalho mais importante ainda, haja visto as mudanças na sociedade e nas escolas, em especial no exterior, mas que certamente irão chegar por aqui, dada as discussões da comunidade.

Com o objetivo de ensinar no Ensino Superior, foquei em fazer um Mestrado, logo após a graduação, para poder lecionar em alguma Universidade. Esse objetivo me fez seguir uma carreira acadêmica, de docência e pesquisa. Continuo como pesquisador na universidade que fiz o meu Mestrado e atualmente sou professor de uma universidade particular.

O que faz um profissional dessa área?

O profissional acadêmico desempenha basicamente duas funções: ministra aulas e desenvolve pesquisas científicas.

Esse profissional tem atribuições pedagógicas, científicas e administrativas. Como por exemplo: ministrar aulas, orientar trabalhos e pesquisas de alunos, elaborar e desenvolver projetos científicos, participar de reuniões e decisões de departamento,publicar materiais específicos etc.

Quais são suas maiores dificuldades como professor?

A principal dificuldade é mostrar para o estudantes como as pequenas coisas e os fundamentos básicos são importantes. Por vezes, os estudantes são muito imediatistas e gostam de aprender o que está em alta – o que é importante também, ainda mais nesta área de tecnologia digital, tão fluida.  O que não pode ser ignorado é que há um conhecimento a ser adquirido e que foi construído por anos, através de pesquisas e práticas. Mostrar ao estudante como isso é importante, além de despertar nele uma postura de estudo, diferentemente – em alguns casos – da postura que tinham no ensino médio, é um grande desafio.

Ensinar Computação é um grande desafio ao redor do mundo, diversas pesquisas são realizadas sob esse viés. Há inúmeros desafios que listá-los não caberia aqui, mas considero que – do ponto de vista do estudante – ter consciência de que é preciso estudar e ter uma postura de estudo são dois desafios dos mais importantes.

Mercado de empresas X Mercado acadêmico

carreira acadêmica

De forma geral, o mercado de empresas em TI procura por profissionais que tenham domínio da tecnologia necessária para a organização. Muitas das vezes, não é exigido um diploma ou curso superior, basta que o profissional comprove sua capacidade de exercer tal atividade.

Isso porque as informações e o conhecimento estão cada vez mais democratizados, existem muitos trabalhadores autônomos e profissionais que aprendem por conta própria, através de cursos online e uma enorme gama de materiais disponíveis na internet.

Mas é importante destacar que fazer um curso superior não é perda de tempo, com certeza agrega conhecimento, mas não significa que isso te faça melhor do que outros que não o têm.

Já o profissional acadêmico, além de ter todo o conhecimento e domínio da tecnologia, precisa saber transmitir esse conhecimento para outras pessoas, além de saber lidar com elas, portanto, é importante que ele seja comunicativo e tenha habilidades interpessoais desenvolvidas.

O que você gostaria que as empresas aprendessem com a academia e o que a academia deveria aprender com as empresas?

Acredito que pode existir uma sinergia. As empresas poderiam investir mais em pesquisa – para não dependermos apenas de órgão de fomento. As pesquisas podem fornecer uma compreensão maior do cenário, para a empresa (como aplicar recursos, o que aplicar, validar se algo é eficiente e etc). Isso já ocorre muito lá fora e até mais em outras áreas. A academia, por sua vez, poderia potencializar as suas pesquisas com o apoio das empresas e assim fornecer informações relevantes e aplicáveis em cenários reais, tendo maior aplicabilidade dos seus resultados/produtos, não se restringindo aos pares da academia.

Quem opta por seguir a carreira acadêmica desempenha duas funções principais: ministra aulas, sobretudo no ensino superior, e desenvolve pesquisas científicas. Enquanto na docência, o profissional leciona matérias relacionadas às suas áreas de formação e de especialização, como pesquisador, conduz investigações sobre fenômenos ou processos relativos ao seu campo de estudos.

Quais as vantagens e as desvantagens de seguir a carreira acadêmica?

Como em todo trabalho, a carreira acadêmica tem os seus prós e contras, na qual tem relação com o perfil do profissional.

Entre os prós, podemos destacar: a busca e aquisição de conhecimento constante, o prestígio, os bons salários e a rede de conexões que esse profissional passa a ter. Já algumas desvantagens são o excesso de trabalho e a carga emocional.

O que você acha de contratações de pessoas que não tem diploma?

Na nossa área em específico isso é comum, no que tange ao desenvolvimento/suporte, por exemplo. Para os estudantes isso é muito bom, pois possibilita que eles adquiram conhecimentos novos ou tenham a oportunidade de aplicar os conhecimentos construídos na universidade. Eu tenho muitos alunos nesta situação e vejo, na prática, como isso é importante. Conheço ainda pessoas que não são formadas na área, mas que adquiram conhecimento sobre a área (é menos comum, mas existe).

Acredito que as empresas devem ter processos que visam selecionar pessoas mais aptas – isso independe de formação – e o nosso papel (enquanto formador) é possibilitar a construção dos conhecimentos necessários para que a pessoa mais apta seja um estudante nosso ou um egresso.

Conclusão

A carreira acadêmica geralmente é muito extensa, podendo levar anos de estudos e de monografias e teses, além de ser necessário desenvolver habilidades interpessoais que também exige prática e experiência para se adquirir.

A carreira empresarial em TI exige que o profissional esteja sempre atualizado frente ao mercado e com as ferramentas que utiliza, está sempre lidando com prazos apertados e pressão para mostrar resultados.

Apesar dessas dificuldades, é extremamente satisfatório ter um bom salário, poder construir algo que seja útil e especial para uma empresa, tornar processos mais eficientes, ensinar as pessoas, ser um exemplo a ser seguido e descobrir novos métodos e soluções para os problemas do mundo.

Então qual caminho vale mais a pena em TI? Na verdade não existe o melhor caminho. Deve-se criar um plano de carreira, traçar os objetivos e correr atrás do seu sonho.

Mini-bio: Luís Gustavo Araújo

“Licenciado em Computação pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia da Bahia (2015), Mestre em Computação Aplicada pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2018). Atualmente é professor do ensino Fundamental em Amélia Rodrigues -BA e professor do curso de Sistemas de Informação da UNIFACS-Feira de Santana. Tem como áreas de interesse Educação em Computação, Desenvolvimento de Jogos, Web e Mineração de Dados. Apaixonado por Café e Javascript.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *